Innovación en equipos de Rayos X Odontológicos

Notícias

25/06/2014 voltar

Agulhas mágicas: a acupuntura na Odontologia

Imagem retirada de http://www.odontomagazine.com.br/2014-05-agulhas-magicas-a-acupuntura-na-odontologia
Imagem retirada de http://www.odontomagazine.com.br/2014-05-agulhas-magicas-a-acupuntura-na-odontologia
Odonto Magazine - A Resolução do Conselho Federal de Odontologia CFO 82/2008, de 25 de setembro de 2008, reconhece e regulamenta o uso pelo cirurgião-dentista de práticas integrativas e complementares a saúde bucal. Quando, efetivamente, a acupuntura passou a ser utilizada como técnica complementar na Odontologia?
Maria Cristina Borsatto - A acupuntura é um método terapêutico milenar utilizado pelos chineses há mais de 3.000 anos, e que tem como objetivo harmonizar a energia que corre nos meridianos por meio da inserção de agulhas em pontos específicos do corpo. Na visão Ocidental, comprovada por inúmeras pesquisas científicas, principalmente na área de Neurofisiologia, esta é uma das várias técnicas dentro da Medicina Tradicional Chinesa, que promove a liberação de substâncias endógenas, neurotransmissores, que favorecem a restauração e a manutenção da saúde. Apesar de estes conhecimentos serem milenares, apenas a partir da década de 1950 é que se iniciou a sua utilização na Odontologia, na Europa. No Brasil, somente na década de 1980, surgiu a primeira entidade que promovia cursos de acupuntura em Odontologia: o IBRAHO - Instituto Brasileiro de Acupuntura e Homeopatia Odontológica, cujo presidente é um dos pioneiros da acupuntura e da homeopatia na Odontologia, o cirurgião-dentista Orley Dulcetti Junior. A partir de então, inúmeros cursos vêm sendo ministrados em muitos estados brasileiros, formando cada vez mais cirurgiões-dentistas habilitados para a prática da acupuntura.
O Conselho Federal de Odontologia não reconhece, até o momento, a acupuntura como especialidade. Porém, no ano de 2008, os cirurgiões-dentistas do estado de São Paulo que participaram de cursos de formação em acupuntura - com carga horária mínima de 350 horas - submeteram-se a uma avaliação teórica e prática, realizada pelo Conselho Regional de Odontologia, para serem habilitados e, por fim, atuarem como acupunturistas.


Odonto Magazine - As práticas complementares na Odontologia são recém-reconhecidas e regulamentadas para o uso dos cirurgiões-dentistas. As técnicas despertam o interesse de muitos profissionais e contam com a aprovação dos pacientes. Como o dentista pode identificar o paciente que necessita de tais cuidados especiais?
Maria Cristina Borsatto - A princípio, a grande maioria dos pacientes necessita de cuidados especiais, uma vez que, dificilmente as pessoas gostam de ir ao dentista e ficam tranquilas ou confortáveis durante o tratamento odontológico. Uma das indicações para o tratamento prévio com acupuntura é o controle da ansiedade e do medo frente ao tratamento odontológico.
Existem ainda várias indicações, como casos de bruxismo ou ranger e apertamento dos dentes; disfunções da articulação têmporomandibular; analgesia; odontalgia; paralisia facial; nevralgia do trigêmeo; dores miofaciais diversas; no controle do reflexo de regurgitação e náuseas; lesões bucais, como aftas, herpes, entre outras. Além disso, a acupuntura está indicada no tratamento de pacientes com necessidades especiais durante o atendimento, como gestantes, hipertensos, cardiopatas, diabéticos, fóbicos, alérgicos ao anestésico local químico e os idosos. A aplicação das agulhas de acupuntura é realizada 20 minutos antes de o tratamento odontológico ser iniciado, no mesmo ambiente clínico. Durante este período, o paciente começa a se sentir relaxado e tranquilo e, muitas vezes, adormece, em função da liberação de mediadores químicos que ocorre após a inserção das agulhas.


Odonto Magazine - Existem estudos científicos que comprovam a eficácia da acupuntura nos tratamentos odontológicos?
Maria Cristina Borsatto - Existem diversos estudos que comprovam a eficácia da acupuntura em todas as áreas, inclusive nos tratamentos odontológicos. Em um levantamento bibliográfico na base de dados do PUBMED é possível encontrar 398 trabalhos publicados em revistas internacionais indexadas relacionados com Acupuntura em Odontologia. Em um importante estudo sobre analgesia, publicado recentemente na revista Journal of Pain, os autores (Park et al, 2014) relatam que a despeito do acúmulo de evidências clínicas em relação à efetividade da acupuntura, seu mecanismo de ação ainda não está claro. No entanto, neste estudo, os autores identificaram os biomarcadores liberados na pele pela ação da acupuntura, induzindo à analgesia. Estes achados são importantes para elucidar este mecanismo que, até então, os próprios autores consideravam sem fundamentação científica. Este é um dos inúmeros trabalhos que comprovam, cientificamente, a eficácia e o mecanismo de ação da acupuntura na analgesia, no entanto, existem os que são realizados diretamente nos pacientes, evidentemente que baseados na literatura, para a resolução de todos os sintomas e problemas relatados anteriormente, quando citadas as indicações de tratamento.
A pesquisa envolvendo a acupuntura é bastante complexa, uma vez que o diagnóstico e o tratamento são individualizados, não sendo possível, desta forma, tratar todos os pacientes de um estudo com os mesmos pontos de acupuntura. No entanto, é impressionante a resposta dos pacientes quando são submetidos a este tipo de tratamento. Em função de uma casuística muito grande, podemos constatar, por meio de entrevistas e questionários, a satisfação e as mudanças de comportamento destes pacientes após o tratamento com acupuntura.


Odonto Magazine - Como a acupuntura pode ser eficaz no tratamento contra a odontofobia?
Maria Cristina Borsatto - As fobias, geralmente, são desencadeadas na infância. Hoje, as crianças são atendidas por Odontopediatras, profissionais treinados para atender estes pacientes de maneira carinhosa e sem traumas.
A odontofobia, aos poucos, vai tendo índices cada vez menores, sendo que somente de 4% a 8% da população apresentam a verdadeira fobia pelo tratamento odontológico.
O receio ou medo racional, ou não exagerado, relacionado ao tratamento odontológico parece ser cultural na nossa população, em função de abordagens inadequadas e, muitas vezes, caricatas, dos procedimentos clínicos odontológicos. A Medicina Tradicional Chinesa pode auxiliar de diversas formas nestes casos, pois o medo está relacionado com o meridiano dos rins, assim como, o do coração está relacionado com a alegria ou euforia; o baço-pâncreas com a preocupação ou pensamento obsessivo; o pulmão com a tristeza ou melancolia; e o meridiano do fígado com a raiva.
Assim como um desequilíbrio na energia destes meridianos pode influenciar nas nossas emoções, as emoções exacerbadas também podem afetar a energia nestes meridianos.
Uma das formas de tratamento seria tonificar a energia dos rins, sendo que, se o paciente tiver fobia de agulhas, podemos lançar mão do tratamento com laser de baixa potência nos acupontos selecionados em todo o corpo. Outro tipo de tratamento muito utilizado nestes casos, podendo ser encontrados vários trabalhos publicados na literatura, é a auriculoterapia, na qual o acupunturista faz o tratamento com agulhas no pavilhão auricular, que é considerado um microssistema, ou seja, uma parte do corpo que representa o todo.
É importante ressaltar que, muitas vezes, um tratamento multidisciplinar é necessário e um psicólogo ou psiquiatra são de fundamental importância e essenciais nestes casos, sendo o tratamento com técnicas complementares um recurso a mais para auxiliar estes pacientes.


Odonto Magazine - Como as classes de profissionais de saúde bucal mais conservadores enxergam a prática das terapias complementares no campo odontológico?
Maria Cristina Borsatto - A prática de terapias integrativas tem se difundido em larga escala, em função dos ótimos resultados obtidos por meio dessas modalidades de tratamento, que são complementares, ou seja, uma ferramenta a mais colocada à disposição do cirurgião-dentista em sua prática diária de consultório.
Devemos levar em consideração que, se os profissionais forem mais conservadores podem não ter tido ainda contato com as referidas práticas, ou ainda, não terem vivenciado nenhuma experiência relativa a esta modalidade de atendimento.
Ainda hoje, existe certo preconceito em relação a estas práticas, uma vez que elas têm origem em conceitos Taoístas; e no Ocidente, acredita-se apenas naquilo que pode ser comprovado cientificamente. No entanto, com inúmeros trabalhos científicos publicados comprovando a existência dos meridianos e dos pontos de acupuntura, bem como do mecanismo de ação deste tratamento, atualmente, não existem mais argumentos para que não se acredite na eficiência e cientificidade destas técnicas complementares.
Assim, com a divulgação das referidas práticas e do grande número de profissionais que tem se voltado para esse conhecimento, a tendência é que elas obtenham cada vez mais destaque entre os profissionais, não só da Odontologia, como de outros segmentos da área da saúde.
De qualquer forma, devemos sempre respeitar a individualidade de cada um que, certamente, a sua maneira, busca proporcionar o melhor atendimento aos seus pacientes.


Odonto Magazine - Comprovada a necessidade do uso da terapia complementar, todos podem ser tratados com a acupuntura? Existem restrições, dependendo do perfil do paciente?
Maria Cristina Borsatto - A princípio, todos os pacientes podem ser tratados com acupuntura, respeitando sempre as contraindicações, como no caso de gestantes - quando devemos evitar alguns pontos; e idosos, em função da pele estar muito fina e sensível, devemos ser cuidadosos ao utilizarmos as moxas (bastão de Artemísia que aquece o acuponto). Assim sendo, o profissional bem capacitado e qualificado se cercará de todos os cuidados durante o tratamento.
Devemos também ressaltar que a acupuntura é uma das técnicas da Medicina Tradicional Chinesa e que o terapeuta possui outras formas de tratamento, como auriculoterapia, moxabustão, laser de baixa potência aplicado sobre os pontos de acupuntura, tuiná (massagem chinesa), exercícios de Tai Chi Chuan, entre outros que podem ser indicados para o cuidado do paciente.
Portanto, o paciente que procura este tipo de tratamento já vem com algum conhecimento de como será realizado, mas, quanto maior o número de informações disponibilizadas ao paciente sobre esse vasto leque de terapias e sobre os efeitos desejados, mais seguro ele sentirá em optar ou não pelas técnicas integrativas auxiliares ao tratamento odontológico.


Odonto Magazine - Existem estudos sobre a utilização das técnicas
complementares em casos de tratamentos odontológicos em pacientes especiais?
Maria Cristina Borsatto - Existem trabalhos que foram publicados demonstrando o quanto estas técnicas complementares auxiliam no tratamento de pacientes especiais. Dependendo do tipo de comprometimento que o paciente apresenta, a acupuntura, a auriculoterapia e outras práticas integrativas se mostram como recursos adicionais que o cirurgião-dentista dispõe durante o tratamento odontológico. Muitas vezes, para que possa ser realizado um tratamento odontológico de qualidade em pacientes portadores de paralisia cerebral que apresentam movimentos involuntários, há necessidade de realizar uma contenção física, por meio de faixas que imobilizam estes pacientes, no entanto, estes procedimentos, geralmente, não são bem aceitos e até contraindicados, ou mesmo, proibidos em alguns países. Nestes casos, a acupuntura é uma técnica que vem a auxiliar de forma impressionante.

Após 20 minutos da aplicação das agulhas em alguns pontos, os pacientes ficam tão tranquilos que as faixas de contenção podem até ser removidas, pois o paciente se encontra totalmente relaxado, em função da liberação de endorfinas, encefalinas, entre outras substâncias. Desde 2000, na Clínica de Pacientes Especiais da Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto-USP, os pacientes são atendidos, quando necessário, por meio de tais técnicas, e os resultados são extremamente satisfatórios.


Odonto Magazine - Como a acupuntura pode auxiliar na qualidade de vida do paciente e do profissional de saúde bucal?
Maria Cristina Borsatto - A prática da Medicina Tradicional Chinesa, que tem na acupuntura uma de suas técnicas mais utilizadas, proporciona inúmeros benefícios tanto ao paciente quanto ao odontólogo e equipe. Entre eles, podemos destacar a redução da ansiedade e estresse, promovendo bem-estar emocional e tranquilidade, diminuição do risco de tendinites no profissional por esforço repetitivo, melhora da qualidade do sono e da digestão, melhora do humor, auxiliando, desta forma, na qualidade de vida de todos os envolvidos, de uma maneira geral.
Com relação ao tratamento odontológico propriamente dito, a acupuntura pode auxiliar em diversas situações e em muitos casos rotineiramente enfrentados na clínica diária, como:
- Anestesia sob acupuntura nos casos onde é contraindicada a anestesia convencional.
- Analgesia.
- Controle da dor e da inflamação pós-operatória.
- Diminuição da halitose e controle da xerostomia.
- Diminuição do risco de hemorragia.
- Controle da náusea durante os procedimentos de moldagem
- Pacientes especiais.
- Bruxismo.
- Drenagem de abscessos e outras indicações citadas anteriormente.

Lembrando sempre que, a prevenção é a base da Medicina Tradicional Chinesa e proporciona o equilíbrio de todos os aspectos da vida, no que diz respeito ao físico, mental, emocional e espiritual. Pacientes que se submetem aos tratamentos com estas técnicas complementares apresentam, com certeza, melhora na qualidade de vida e longevidade com saúde.

Odonto Magazine - Como o profissional de saúde bucal deve agir para buscar capacitação e/ou treinamento no segmento das terapias complementares?
Maria Cristina Borsatto - O profissional de saúde bucal interessado no segmento de terapias integrativas deve optar por cursos promovidos por instituições de ensino superior ou por entidades especialmente credenciadas junto ao MEC e/ou CFO; entidades de classe, sociedades e entidades de Acupuntura, devidamente registradas no CFO. O curso tem que ser coordenado por um cirurgião-dentista habilitado em Acupuntura pelo Conselho Federal de Odontologia, e o corpo docente deve ser composto por cirurgiões-dentistas habilitados na prática de Acupuntura e profissionais da área da saúde com comprovado conhecimento técnico-científico. O treinamento deverá ter carga horária mínima de 350 horas - entre aulas teóricas e práticas.

Na Universidade de São Paulo, o único curso de Habilitação em Acupuntura para cirurgiões-dentistas é ministrado na Faculdade de Odontologia de Ribeirão Preto, gerenciado pela Fundação Odontológica de Ribeirão Preto. Atualmente, contamos com 373 cirurgiões-dentistas acupunturistas, distribuídos em todo o território nacional.


Odonto Magazine - Existem projetos sendo estudados, atualmente, para implantar a prática de terapias complementares na rede pública de saúde bucal?
Maria Cristina Borsatto - Na rede pública, os pacientes já são atendidos por médicos que fazem tratamento com acupuntura. No entanto, em relação à saúde bucal, o principal projeto, atualmente, é conseguir que a acupuntura seja uma Especialidade Odontológica. Este ano, provavelmente, este objetivo será alcançado com o apoio de toda a classe odontológica. Entre os dias 24 e 26 de abril foi realizado, em São Paulo, um Seminário pela Valorização da Odontologia, promovido pelo Conselho Regional de Odontologia de São Paulo. Especificamente no dia 24, foi realizada uma discussão sobre técnicas complementares. Ainda este ano, em outubro, acontecerá uma reunião da ANEO - Assembleia Nacional de Especialidades Odontológicas, na qual se propõe a aprovação de novas especialidades. Assim, com o apoio de toda a classe odontológica e com a presença de um número expressivo de cirurgiões-dentistas, estamos confiantes de que este objetivo será concretizado.

Quando, por fim, a Acupuntura for uma especialidade odontológica, o próximo projeto, certamente, deverá ser a implantação das terapias complementares na rede pública, para auxiliar no tratamento e prevenção da saúde bucal

Fonte: Odontomagazine, escrita por Vanessa Navarro